loading

_autores

  • Alex Cassal

    É historiador, encenador e performer. Nascido em Porto Alegre, desde os anos 80 trabalha com teatro, dança, vídeo e performance. Vive no Rio de Janeiro, onde colabora com artistas como Dani Lima, Alice Ripoll, Gustavo Ciríaco e Clara Kutner. É fundador, com Felipe Rocha, da companhia Foguetes Maravilha, tendo criado espetáculos como Ele precisa começar, Ninguém falou que seria fácil e 2histórias. Desde 2009 vem colaborando com o coletivo português Mundo Perfeito: Estúdios, Cartões de visita, Hotel Lutécia e Mundo Maravilha (estreia no segundo semestre de 2012).

    Durante cinco anos foi professor da REDES – Redes de Desenvolvimento da Maré, trabalhando com jovens de uma das maiores favelas do Rio de Janeiro. Ainda lê quadrinhos. Cassal é o primeiro brasileiro convidado à escrever para o Culturgest de Lisboa. O Septeto Fatal foi escrita para o projeto PANOS, parceiro do Conexões em Portugal.

  • Mariana Marteleto

    É estudante de teatro e tem 20 anos. Nasceu em Ribeirão Preto, mas foi criada em São Paulo. Participou do Projeto Conexões 2010 e 2011 como atriz do grupo Teatro-escola Célia Helena. Atualmente, está cursando o último ano do curso de Artes Cênicas da Escola Superior de Artes Célia Helena. Mariana é a primeira jovem à escrever para o projeto Conexões.

  • Samir Yazbek

    É dramaturgo e diretor teatral. Consolidou sua formação com o diretor Antunes Filho. Escreveu O Fingidor (Prêmio Shell 1999 de melhor autor; distribuída pelo Ministério da Educação para 475.000 alunos da rede pública de ensino), A Terra Prometida (entre os dez melhores espetáculos de 2002, segundo o jornal O Globo), A Entrevista, O Invisível e As Folhas do Cedro (Prêmio APCA 2010 de melhor autor), entre outras. Fundou a Companhia Teatral Arnesto nos Convidou com Helio Cicero. É organizador de Uma Cena Brasileira, da Editora Hucitec, coletânea de depoimentos de Eva Wilma, Laura Cardoso, Paulo Autran e Raul Cortez, entre outros.

    É autor de O Teatro de Samir Yazbek, lançado pela Coleção Aplauso, da IMESP, com a edição de suas peças O Fingidor, A Terra Prometida e A Entrevista. Alguns de seus textos foram traduzidos para o inglês, francês e espanhol. Eventualmente escreve artigos para jornais e revistas de circulação nacional, como Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Revista Bravo!. Publicou a peça inédita Os Gerentes, pela Editora Unicamp, fruto do Programa Artista Residente, da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), para o qual foi convidado. Foi ao ar pela TV Cultura, em parceria com a Rede SESC TV, o teleteatro Vestígios, que Yazbek escreveu e dirigiu, e uma adaptação de sua peça O Fingidor, que também dirigiu.

    A Editora Terceiro Nome publicou As Folhas do Cedro, de sua autoria, que voltou à cena no estado de São Paulo, em março de 2012. Yazbek também participou do último Festival de Cádiz com a palestra "A Procura por um Teatro Poético". Em 2011, a revista cubana Conjunto, editada pela Casa de las Américas, publicou El Fingidor, de sua autoria. Em 2012, a editora mexicana Libros de Godot publicou El Teatro de Samir Yazbek, com quatro obras do autor. Yazbek será o primeiro dramaturgo latino-americano a estrear uma peça inédita (The Ritual) no tradicional National Theatre, de Londres. No momento está em cartaz, como autor e ator, com o espetáculo Fogo-Fátuo, inspirado no mito de Fausto, parceria com o ator Helio Cicero, realização da Companhia Teatral Arnesto nos Convidou.

  • David Harrower

    Nasceu em 1966 em Edimburgo. Sua primeira peça, "Faca nas Galinhas", estreou em 1995, numa produção do Bush Theatre e do Traverse, com direção de Philip Howard. Logo obteve sucesso nos mais importantes palcos europeus. "Nunca tinha ido ao teatro, não tinha dinheiro", declarou Harrower, que ganhava a vida lavando pratos.

    Escreveu: "Matem os Velhos, Torturem Suas Crias" (1998), "Presença" (2001), "Terra Negra" (2003), "A Recusa" (2006), "Blackbird" (2006), "365" (2008), "Cinzas de Sangue" (2009), "Começar de Novo" (2009) e "Caixa de Surpresas" (2009). Adaptou "A Crisálida", do romance de John Wyndham (1999), "Seis Personagens à Procura de um Autor', de Pirandello (2001), "Ivanov", de Tcheckov (2002) e "Büchner", de Woyzeck (2002), "Contos das Florestas de Viena", de Ödon vön Horváth (2003), "A Alma Boa de Setsuan", de Bertolt Brecht (2008), "Sweet Nothings", de Arthur Schnitzler (2009). Traduziu "Menina no Sofá", e "Púrpura", ambas de Jon Fosse.